20 de junho de 2014

300 - JAMILA

300 por Natália Espinosa - SEMANA 03

A história da dança com cobras, por Jamila Salimpour.

"Em 1969, eu acidentalmente usei cobras. 


Digo acidentalmente porque tínhamos um mágico que usava uma cobra indiana de duas cabeças [n.t: se alguém estiver curioso em saber como a cobra pode ter duas cabeças eu explico] como parte de seu número. Ele mostrava à platéia uma frigideira vazia à qual ateava fogo, e após girá-la no ar umas duas vezes ele puxava uma cobra da frigideira. Eu percebi que a reação da platéia foi de repulsa e nojo enquanto ele colocava o animal quase inconsciente em um saco até o próximo show. Já que a esse tratamento em relação ao animal faltava compaixão, e eu senti que a cobra poderia morrer acidentalmente ou não, eu insisti que ele me desse a cobra. Quando ele deu, eu simplesmente olhei para aquilo. O que você faz com uma cobra? O que ela faria com você, se tivesse a oportunidade? Logo aprendi que as cobras não são venenosas, que na maioria das vezes elas só ficam quietas até terem fome. Ninguém nos primeiros dias da trupe manusearia uma cobra. Quando eu sugeri adicionarmos variedade e "hokum" [n.t:elementos cômicos] ao show, uma das respostas foi: 'Não quero ser uma aberração'. Então eu fazia tudo.Eu cantava, dançava sobre copos d'água enquanto segurava uma cobra em minha mão, e tocava percussão entre as performances. Eu nunca vi ou trabalhei com um bailarino do Oriente Médio que usasse uma cobra. Eu só conheço faquires indianos que usam cobras, mas não dançam com elas. A dança com cobra foi invenção minha, foi como culminou uma sucessão de tentativas e erros depois daquela primeira posse acidental da cobra. Eu nunca tive a intenção de sugerir através de nossa performance que isso é ou foi feito tradicionalmente por dançarinos no Oriente Médio."

Essa é minha história favorita de Jamila, já que amo animais.

FONTE:
http://thebestofhabibi.com/vol-17-no-3-spring-1999/from-many-tribes/
Postar um comentário