25 de março de 2015

20 - UMA MATÉRIA INDISPENSÁVEL PARA O ESTUDO parte 1

20 por Maria Badulaques - SEMANA 42

"ATS Old School, ATS New Style" by Carolena Nericcio Bohlman


"Obrigado por se juntar a mim, há algo que quero compartilhar com você. 


Quando lancei Tribal Basics Vol.1- Fundamentos da Dança, encorajei o espectador a "usar essas idéias em sua versão do American Tribal Style". Naquele momento, não tinha idéia de que ATS se tornaria um fenômeno mundial. Não tinha a idéia de controlá-lo, só queria espalhá-lo, para que as pessoas pudessem desfrutar. Presumi que você iria assisti-lo, se inspirar, e criar uma dança que se seguisse, o que era para mim, as óbvias linhas estéticas e de beleza feminina clássico. 

Imagine minha surpresa quando meu pequeno ATS se transformou em tantas interpretações de "Tribal". 

No começo estava encantada, com tantas pessoas embarcando a bordo. Enfrentei uma série de críticas dos tradicionalistas, que temiam que o público consideraria Tribal como mais autêntico do que Estilo Oriental. Mantive minha posição em que não estava tentando roubar o pedaço de mercado de ninguém, só tinha uma idéia nova, que sabia que iria somar a crescente população de estudantes interessados em dança do ventre. Pessoas como eu, que amava a música e cultura, mas sentiam uma ressonância à ideia romântica de uma dança  com um figurino mais folclórico. A música que escolhemos foi mais do campo do que da cidade, e também experimentamos sons de outras culturas, bem como fusões modernas que foram surgindo em San Francisco e outras cidades progressistas. O traje era rico e pesado: saias, pantalonas, uma versão do choli indiano, sutiãs míticos de moedas e cintos de borla, e, claro, um turbante de pano e muitas jóias. 

Como as coisas evoluíram em nossas aulas de San Francisco, desenvolvi o conceito principal do ATS: improvisação em grupo. Usamos padrões de passos de dança do ventre, e montamos alguns dos nossos próprios com base nesses padrões, mas o que era novo era a maneira que usamos, em formações definidas. Decidimos por duetos, trios e quartetos, com solos ocasionais, a serem realizados no contexto de um coro de dançarinos da trupe. A postura e passos permaneceria, um núcleo imutável sólido, mas a forma como os dançarinos usariam era a parte de improviso - a líder faria senhas aos seguidores quanto ao seu próximo passo e toda a formação poderia mudar em uníssono.

Isso ainda é um mistério para o público, todo o grupo flui de maneira tão perfeita que muitas vezes é impossível dizer que é improvisação. Talvez seja esse um percalço no ATS, a parte mais surpreendente é escondido dos espectadores. 

Avante com o motivo da conversa de hoje à noite. 

Nunca tive a intenção de ter que policiar a dança. Eu esperava que todos pudessem dançar e respeitar uns aos outros, e a mim. Mas algo aconteceu em meados dos anos noventa. O desejo pela dança começou a se espalhar e mais e mais pessoas queriam aprender. Fui convidada a viajar, mas não tinha interesse nele no momento. Se eu deixasse San Francisco, a empresa iria ficar para trás. Além disso, não sabia conscientemente naquele momento, mas não tinha terminado de criar a dança. Sinceramente me senti, e ainda sinto, como se eu fosse apenas uma ferramenta da deusa da dança. Não quero soar clichê, mas eu não tinha um plano pessoal, além de dançar por alguns anos. Parece que algo maior do que eu apenas me arrancou das massas e disse: "Vá fazer isso." E, eu fiz. 

Mas a bolha estourou, quando os alunos começaram a se espalhar e começaram a dar aulas, virando a esquina. Isso foi errado. Nunca teria aberto um negócio se o minha professora ainda desse aulas. Decidi não tomar uma atitude, não querendo parecer mesquinha e, mais importante, não querendo pôr um amortecedor sobre o andamento da dança. Mas esta é a questão, era como se eu estivesse me preparando para dar um presente... e ele é arrancado das minhas mãos. Eu estava tentando ser humilde, não sentindo a necessidade de apropriação, presumi que seria naturalmente atribuída a mim, por cortesia. Mas não era para ser. Eu estava atordoada e magoada, com raiva e orgulhosa demais para dizer isso. Eu recuei. 

Eu esperei e assisti, para ver o que iria acontecer. Foi bem difícil por um tempo. Todos os tipos de danças foram sendo criados e chamado de "Tribal", alguns até mesmo "ATS", o que não fazia sentido para mim, pois não havia nada de ATS sobre eles em tudo. 
Eu percebi que as pessoas que não tinham experiência com ATS foram entrando na onda. Fazia sentido permanecer no jogo e incentivar as pessoas a chamar esses novos estilos simplesmente Tribal. A maioria das pessoas ia acrescentado um prefixo ou sufixo, como Fusion, gótico, East Coast, etc. Na tentativa, acredito, de ficar sob o guarda-chuva da popularidade do Tribal, enquanto distinguindo-se como o original, ao mesmo tempo. Não faz nenhum sentido para mim, mas OK. 

Eventualmente, as mesmas pessoas que se afastaram de mim, ou talvez eu devesse dizer a próxima geração de estudantes da diáspora original, passou a reconhecer o verdadeiro ATS, e a mim. Eu senti que valeu a pena esperar. Estou feliz por não falar contra aqueles que haviam rompido. E eu estou feliz que estamos no caminho certo novamente.


Uma divagação sobre uma aula de história underground do ATS, finalmente aqui está a razão para a palestra de hoje à noite. 



As coisas estão bem agora. Há ainda uma certa confusão sobre o que é ATS e o que é toda a variedade de Tribal, mas isso é OK. 

** Tradução livre Carine Würch **

Texto escrito em setembro de 2010
"ATS Old School, ATS New Style" by Carolena Nericcio Bohlman


Postar um comentário