1 de fevereiro de 2015

72 - MASHA ARCHER

72 por Natália Espinosa - SEMANA 35


Trecho do livro Middle Eastern Dance de Penny AlZaier- Tradução livre por Natália Espinosa 


Masha Archer era uma ex-aluna de Salimpour que colocou sua própria marca no novo estilo (de dança do ventre, iniciado por Jamila) não distinguindo entre as regiões (de origem da dança) e simplesmente identificando tudo como dança do ventre

Ela fundou a San Francisco Classic Dance Troupe, que existiu por 14 anos. 

Archer não estava disposta a se apresentar em bares e restaurantes, e, sem dúvida, promoveu a conscientização de que a dança do ventre pode ser apresentada como espetáculo e em espaços onde as pessoas vão com a expectativa de ver uma arte performática respeitável. 

Ela sentia que a dança era atemporal - que ela era tão adorável, especial e merecedora de respeito que suas inovações nada autênticas eram perdoáveis. 

Archer acreditava que por causa das atitudes duvidosas ou mesmo negativas que o povo do Oriente Médio tinha em relação à dança e às mulheres que dançavam, a dança do ventre merecia ser adotada pelas mulheres americanas que a amavam e honravam tanto. 

Masha havia sido pintora e escultora, o que talvez tenha contribuído para que ela tirasse inspiração da dança tradicional sem se opor a alterá-la de qualquer forma que julgasse correta. 

Da mesma forma, suas escolhas de figurino eram bem mais ecléticas que as das dançarinas tribais mais antigas, embora para a maioria dos americanos elas parecessem autênticas por causa do uso de jóias e acessórios tribais verdadeiros e peças de antiguidade. 

Sua atitude em relação à música era a mesma; em vez de confinar suas escolhas às seleções populares e tradicionais comuns, ela experimentou usar uma variedade de tipos de música.

(Foto: acervo de Larissa Archer)
Postar um comentário