22 de dezembro de 2014

115 - RASHID

115 por Carine Würch - SEMANA 30

BIOGRAFIAAs influências artísticas de ambos os lados de sua família alimentaram o interesse de Rashid (Tom Ryan) pelas Artes. Ele foi incentivado a tocar piano e violão, desde cedo, mas não experimentou seu primeiro gosto pelo palco até uma apresentação de sapateado com oito anos.

No colegial, direcionou seus interesses para atuação e teatro musical. Esses interesses o levaram até a Renaissance Pleasure Faire, pois desenvolvia junto com a escola um trabalho sobre o período renascentista europeu. Foi neste local que ele primeiro testemunhou performances da trupe de Jamila Salimpour, o Bal Anat.

Rashid começou seus estudos em Dança Oriental em 1974, com Jamila Salimpour.


Sob a tutela de Jamila, ele mergulhou na Dança Árabe com apenas dezesseis anos. 

Possuindo um entendimento desenvolvido e respeito para a dança étnica, Rashid perseguiu a Dança Oriental, como artista, antropólogo e historiador. 

Quando as informações eram escassas, ele arduamente pesquisou por todas as vias disponíveis. Com a orientação de Jamila, estudou com muitos grandes artistas, incluindo Lala Hakim, Nadia Gamal e Mahmoud Reda, para citar apenas alguns.

Seu estilo e desempenho foram inspirados por muitos bailarinos lendários incluindo Aza Shariff, Nagwa Fuad, Sohair Zeki, e Mona Saiid. Como dançarino americano, foi muito influenciado pelas carreiras de Bobby Farrah e Ahmed Jarjour, primeiro bailarino do mundo ocidental.

Rashid rapidamente se tornou um dos bailarinos principais com o Bal Anat, dançando coreografias da companhia, que se tornaram inspirações para trupes de dança tribais em todo o mundo.

Dançou profissionalmente por mais de trinta anos.

Ensinou, fez palestras e apresentações em todo o ocidente. Dirigiu, coreografou e interpretou em várias companhias de dança, incluindo, Bal Anat (1974 - 1980 e 1999 até 2012 - quando faleceu), Os Rasheeds, o San Francisco Egyptian Dance Company (diretor) e Amwaj Fokloric Company (diretor, Samra Zuhur).

Foi descrito como "consumado bailarino... solista de técnica excelente, com conhecimento íntimo das nuances sutis de Dança oriental."

Os seus trabalhos têm sido aclamados pela sua capacidade técnica e pureza do movimento, "uma dança que nos puxa para seu feitiço, como uma droga de ação lenta."

FONTE:
** Tradução livre  - Carine Würch **
Postar um comentário