25 de dezembro de 2014

112 - RASHID

112 por Carine Würch - SEMANA 30

Texto escrito por Bàraka, em 1998.

Rashid, nascido em Sao Francisco, que ao meu ver, foi um dos melhores bailarinos de Dança Oriental, abria o show com a clássica Dança com Bandeja, apresentando sua técnica incrivelmente precisa - e uma túnica em Assiut maravilhosa. 

Ele aperfeiçoou o isolamento ao seu melhor nível, e o seu slipt lento era de parar o show! Não vou nem tentar descrever sua maestria no domínio dos snujs (zills), que é excelente, mas melhor ainda, pois é misturado perfeitamente a música. 

Percebemos em Rashid muitos anos de estudo e trabalho com Jamila Salimpour, e seu conhecimento deriva em grande parte, a partir desta base, mas estendeu o estilo tradicional, com inovações que são particularmente suas e freqüentemente marcado por um humor sutil.

Depois de um breve intervalo, os músicos voltaram e novamente local estava cheio de dançarinos e público. Nesta altura, o público tinha relaxado depois de uma deliciosa refeição, e estavam prontos para deixar para "baixar a poeira". Pessoas sorrindo, rindo, a partilha de um movimento. Era como assistir a uma festa de família. 

Uma breve pausa, e Rashid voltou com uma apresentação mais incomum de "Mashaal". 

Vestindo uma camiseta preta simples e jeans justos, acentuado com um cinto de prata no quadril e pulseiras, ele provou que o figurino deve tomar muito menos atenção que a habilidade e interpretação. 

Ele faz mais parado, do que a maioria dos artistas fazem dançando um show inteiro, e essa auto-contenção é a marca registrada de seu estilo. 

Sua capacidade de fazer isolamentos, de talvez uma polegada, e ainda tê-los completamente visíveis ao público, é uma mostra do seu excelente controle muscular.


FONTE:
** Tradução livre  - Carine Würch **
Postar um comentário