11 de junho de 2015

LITTLE EGYPT - FARIDA MAZAR

Farida Mazar - Foi no palco da Midway que artistas do lado de fora faziam suas performances na esperança de atrair clientes para a magia estrangeira e exóticos tesouros os aguardavam do lado de dentro. 

Uma destas artistas era Farida Mazar Spyropoulos, vista no filme aqui, que era membro do “As Dançarinas Argelinas de Marrocos”. 

Com homens de turbantes tocando estranhos instrumentos, ela e outras meninas dançavam uma dança tradicional chamada Raks Sharki, uma dança tradicional não é tão tradicional assim para uma cultura acostumada com valsas formais e decoro. 

Apesar de haver um número de dançarinas que estavam geralmente presente para entreter e seduzir, foi Fátima (como preferia ser chamada) quem que chamou mais atenção. Era um espécime de beleza feminina, mostrando seus braços nus, girando de forma provocante e provavelmente rindo sobre isso. As mulheres ficaram chocadas, dando suspiros de desânimo vitoriano, os homens também ficaram chocados dando a máxima atenção e provavelmente sorrindo também. 
Farida era síria, esposa de um dono de restaurante de Chicago e empresário de sobrenome Spyropoulos, que era nativo da Grécia. Foi anunciada com Fatima, mas por causa do seu pequeno tamanho, passou a ser chamada de Little Egypt, como um apelido nos bastidores. 

Farida popularizou a forma de dança que veio a ser conhecida como Hoochee-Coochee, ou Shimmy & Shake


Naquela época a palavra bellydance ainda não tinha entrado no vocabulário americano, como Spyropoulos foi a primeira nos Estados Unidos a demonstrar a “danse du ventre” (literalmente dança do ventre) a dança passou a ser chama de Hoochee-Coochee

Hoje a expressão hootchy-kootchy geralmente significa uma dança erótica e sugestiva e é muitas vezes erroneamente confundida com o grupo de danças originárias do Oriente Médio que hoje chamamos de dança do ventre. Devido ao grande sucesso e ao grande numero de imitadoras, dança passou a ser chamada de Little Egypt, confundindo dança e dançarina. 


Farida começou a viajar pelo circuito das artes e em 1897 estava dançando na Broadway. 

Com a avançada idade de 62, Spyropoulos dançou como Little Egypt na Feira de 1933 “Century of Progres” em Chicago. 

Antes de sua morte, ela tinha abriu um processo contra Metro-Goldwyn-Mayer, pelo uso indevido de seu nome, no filme O Grande Ziegfeld, alegando que os produtores do filme não pediram o seu consentimento.

Muitos anos mais tarde, muitas pessoas passaram afirmar ser a famosa Little Egypt, tentando ganhar dinheiro com sua fama, mas eles não eram, e hoje, a maioria concorda que era Farida. Algumas foram tão longe ao ponto de afirmar que eram suas filhas ou netas ainda que Farida nunca tenha tido filhos. 
Postar um comentário