29 de agosto de 2014

230 - RHEA

230 por Maria Carvalho - SEMANA 13

"O Universo conspira para nos ajudar, tornando mais fácil para começar em nosso caminho destinado na vida. As tapas, estilingues e flechas veem mais tarde, depois de termos sido seduzidas e abandonadas."

Semana terminando e eu já com saudade de Rhea, mas ainda temos uns dias para aprender com ela, então hoje trarei uma passagem muito interessante do seu batismo na dança. Bem, em 1968, mais precisamente outubro, Rhea iniciava sua aulas com Jamila e logo imediatamente, em setembro de 1969, três meses após dar luz a sua filha Melina, ela subia ao palco em sua estreia.

Este primeiro show ocorreu na Taverna Athena em Jack London Square, Oakland, California e neste dia coincidiu com a noite de danças folclóricas, .... o chefe, Manolis Glimidakis, que era de Hania, Creta, viria perto do palco com os braços cruzados sobre o peito e via o show como um falcão, apoiando as costas contra um pilar grego. Foi só depois de anos que Rhea descobriu o verdadeiro motivo de seu interesse intenso. Houve um rumor (que era a verdade) que ela não raspava as axilas. No entanto, como ela tinha cabelos longos que voavam, aderindo a várias partes do corpo encharcado de suor, era difícil distinguir o cabelo debaixo dos braços de todos os outros cabelos. Anos depois, quando se mudou para Grécia em 1977, Rhea descobriria que mesmo se um grego ouve algo de alguém, eles ainda tem que ver por si mesmos.

E então, três semanas após o seu primeiro show, Jamila a enviava para outro show em Fresno, Califórnia, onde o chefe era um armênio, e não foi tão reservado como Manolis

Depois do primeiro show de três contratados, ele foi ao camarim. 

Disse, rindo, incrédulo: "Meus clientes me disseram que você não raspa debaixo de seus braços.

Ele ficou lá, obviamente esperando por negação para que pudessem  rir juntos. O que não aconteceu! A incompreensão impregnava seu rosto. "Mas por quê?", ele perguntava estupefato, Rhea menciona que podia sentir ele pensando consigo mesmo: "Talvez uma alergia?Seu rosto tornou-se apenas mais perplexo quando Rhea começou a expandir o manifesto hippie de naturalidade em todas as coisas, ele a interrompeu com quatro palavras: "eu vou pegar uma navalha".

Essa passagem da vida de Rhea é muito divertida, afinal quantas de nós subimos ao palco certas de estarmos sendo observadas pelo conjunto da obra, mas os olhos de toda plateia, ou parte dela, se pega em um detalhe fora do lugar? Não é fácil estar no holofote!!!

Neste mesmo artigo, ela comenta a relação de Jamila e suas alunas. Miss J ensinava, e bem, suas alunas a dançar, mas a arte de se encaixar ou não nos clubes noturnos da época era uma tarefa pessoal de cada um, a frase que Rhea usou para ilustrar foi: "fomos jogadas na água, tanto para afundar como para nadar".

É isso, por hoje. Vamo que vamo
Xeros e mais xeros.
Postar um comentário