7 de novembro de 2014

160 - BARAKA

160 por Carine Würch - SEMANA 23

Texto escrito por Baraka para Gilded Serpent

Baraka (BA - r 'ka): aura do espírito, bênçãos, abençoada. Raks Sharki, Danse Orientale, Dança do Oriente Médio, Dança do Ventre - seja qual for o nome, esta dança tem sido uma bênção em minha vida. Suas alegrias foram profundas e de longo alcance, as quais me permitiram viajar, escrever, ensinar e aprender, não só a dança, mas a vida. Tenho sido abençoada com amigos em todo o mundo. A dança também tem sido uma jornada espiritual de descoberta. Durante o quarto de século em que estudei, apresentei e ensinei esta dança, foram abertas as portas da sabedoria e da percepção, através da qual tenho sido guiada por minhas irmãs na dança.

Quem sou eu, você pergunta? Essa é uma boa pergunta - que passei os últimos 50 anos, ponderando. Voltarei, caso chegue a uma resposta. Mas não prenda a respiração, a aventura é muito mais emocionante do que os resultados, tanto quanto do tempo!

O que eu faço, é muito mais fácil - fixando-se a realidade concreta, em vez das profundezas da consciência. Você provavelmente já descobriu que a Dança do Ventre ou Dança Oriental (na verdade, o termo correto é Raks Sharki - por favor, lembre-se que da próxima vez que alguém disser "bellydance") é uma grande parte da minha existência. Para dizer que eu vivo e respiro isto, seria um eufemismo. Estou constantemente dançando, às vezes nos lugares mais impróprios e com a música mais estranha. Compreender como a dança acontece tem sido a principal ocupação da minha mente ( super organizada) durante os últimos 25 anos, desde que comecei a ensinar.

Quem devo culpar por essa compulsão? Uma grande parte do crédito vai para a incomparável Jamila Salimpour, que foi minha primeiro professora, realmente, no início dos anos 70. Sua organização de tipos de movimentos básicos em famílias, foi fundamental para dar aos dançarinos um local para onde criar, em vez de simplesmente copiar. Claro, eu também tive a sorte de ter uma boa formação nas artes plásticas desde a infância - piano, flauta, instrumentos percussão e violão, teatro, aulas de canto, aulas de dança a partir dos três anos de idade. Eu fazia parte do clube de dança moderna no ensino médio (Classe de '65, Burlingame High) e fez em abundância de Gilbert & Sullivan naqueles anos.

Após os anos do ensino médio, a área de Sao Francisco, em meados dos anos 60, oferecia um monte de coisas interessantes para explorar, e o fiz. Cantei por pouco tempo com Hot Air, um precursor para uma banda de desdobramento do Grateful Dead chamado "New Riders of the Purple Sage", recusei um show com Dan Hicks, porque ele tinha o sonho de nos colocar em mini-saias e levando-nos a LA , enquanto eu estava levando a vida do campo e pedindo carona.

Veio a década de 70 e eu tinha um filho - Noah Oz Appleton - mas o casamento não é para mim e o criei como mãe solteira. Foi quando Raks Sharki entrou na minha vida, porque depois da gravidez, eu pesava cerca de 77 kg e meu "salto" havia se tornado um "baque"! Esta foi uma dança que não saia do chão, e no entanto, usava usou todos os músculos. E a música era intrigante (lembre-se tudo que o treinamento musical em minha juventude desperdiçada?) Os figurinos eram incríveis e poderia fazê-los, os clubes eram divertidos de se ir, e, em geral, caí de amores com tudo isto.

Estudei primeiro num departamento de recreação local, mas depois de três sessões de oito semanas eu já estava à procura de mais. Após vários anos de busca, descobri aulas de Jamila, e me mantive com ela por cerca de 7 a 8 anos. Quando fui pela primeira vez a sua classe, aguentei as aulas de iniciantes, depois de um ano mais ou menos, estava tendo três aulas seguidas aos sábados, uma outra aula de dança e uma aula de música por semana. Jamila também trouxe bailarinos como Lala Hakim do Egito e Hassan Wakrim de Marrocos, Aisha Ali logo após suas primeiras viagens de coleta sobre o conhecimento Ghawazee, Morocco (a "Tia Rocky" da lista MED-dança); em suma, fomos expostos a uma enorme variedade de estilos de dança a partir de um tradicional "been there, done that" (estive lá e já fiz isto), ponto de vista. E isso foi em meados da década de 70.

Jamila foi minha mentora de ensino, primeiro me usando como "demonstração" para a turma, então me facilitando em ensinar a classe iniciante, em seguida, manando para ensinar longe de sua base em Sao Francisco. Fiz aulas em Berkeley e na península sul da cidade sob seus cuidados, por vários anos. Eventualmente, me mudei e comecei a ensinar de forma independente. Cerca de dois anos da minha formação, estava trabalhando em clubes noturnos e restaurantes, festas privadas. Por ser mãe solteira, não podia fazer viagens longas como algumas das minhas amigas - e parecia tão romântico pensar em dançar no Líbano, Paris ou o Egito, como  minha amiga Rebaba. Mas trabalhei de forma constante, ao longo dos anos 70, 80 e a maioria dos 90, mesmo em casa.

Felizmente, "casa" era San Francisco, onde há uma comunidade de dança significativa (cerca de 2000 pessoas na última contagem, em um raio de 400 km) e uma infinidade de seminários, com os melhores instrutores de todo o mundo. Há também os festivais anuais, Rakkasah e Desert Festival de Dança, com fornecedores e classes e oportunidades de dança e músicos e amigos para ver (entende onde quero chegar?)... Em suma, um lugar onde poderia explorar uma grande variedade de estilos de dança , professores, clubes, - rica, emocionante e cheia de sol, na maior parte do tempo!

Outra característica da vida de dança na costa oeste, é concursos de dança do ventre. Depois que um número de alunos me diziam que deveria entrar, finalmente tomei coragem e entrei no concurso "Miss America of the Belly Dance" - e para minha surpresa, fiquei em segundo lugar! "Hmmm - isso não é tão ruim", pensei, e passei a entrar em vários outros. Nunca deixei estar no topo - 1 ou 2 (e um terceiro) - o que me levou a pensar sobre como isso acontece - como você se tornar bom nisso - bom o suficiente para uma grande variedade de juízes criticar você positivamente? E quando você é, o que você faz sobre isso?

Se eu fosse 20 anos mais nova, poderia ter me tornado arrogante, ainda bem que a maturidade tem alguns aspectos positivos! Decidi que queria colocar meus esforços para melhorar e elevar o nível desta dança de uma maneira significativa, ensinando novos dançarinos como para alcançar o melhor que podem conseguir. Tenho orgulho de dizer que tem sido um empreendimento de sucesso! Você deverá ver Tahiya (ela está no Toolkit comigo), que ganhou uma série de prêmios, incluindo "Most Promising New Talent" do GAMAL Dance Academy Awards.

Eu continuo a me apresentar, deixo para as meninas mais jovens os shows nos clubes agora - faço festas particulares, showcases, workshops e seminários, e todos os tipos de ocasiões especiais. A maioria dos meus esforços vai agora para ensinar aos outros sobre a complexidade e beleza da dança, e como ela reflete o que somos por dentro.

Meu "trabalho" é ser publicitária para o Departamento de Música da Universidade de Stanford, ao sul de Sao Francisco. Um dos benefícios deste trabalho são os muitos concertos que posso assistir, a um custo extremamente razoável. Ele também permite que conheça músicos maravilhosos, como o nosso conjunto, o St. Lawrence String Quartet - cuja estreia mundial de Christos Hatzis 'String Quartet No. 2 estava estranhamente Oriente Médio.

Estou convencida que esta dança é uma ótima maneira de manter-me saudável e jovem - e posso prová-la! Eu comemorei meu aniversário de 50 anos, em 1997. Portanto, não somente a "dança do ventre" foi maravilhosa para mim espiritualmente e emocionalmente, ela continuou me fazendo sentir, parecer e agir jovem! E ela pode fazer o mesmo por você - apenas experimente!


Fonte:
** Tradução Livre - Carine Würch **
Postar um comentário