20 de setembro de 2014

208 - SUHAILA SALIMPOUR

208 por Carine Würch - SEMANA 16




Segue mais um pequeno trecho traduzindo por mim de uma entrevista feita por Shareen El Safy  do The Best of Habibi com Jamila e Suhaila Salimpour falando um pouco sobre sua visão sobre a dança.

Sobre o básico: 

Jamila: Minha base tornou mais fácil para as pessoas assistirem e serem capazes de analisar um movimento... A bailarina deve ser capaz de fazer isso. Não deve ser um mistério. 

Suhaila: Tem havido um monte de comentários de bailarinas dizendo que já dominam o básico do formato de Jamila Salimpour. As pessoas não percebem que ele não é um formato básico, é extremamente complexo, e pode ir para níveis tais que, mesmo agora, eu estou tentando fazê-lo. Eles talvez dominem um terço do que ela deixou disponível para os bailarinos. 

Sobre Técnica: 

Jamila: A coisa mais frustrante para mim é o onde a dança está indo. Eu gostaria de pensar que as pessoas estão definitivamente pensando em termos de técnica, onde se torna tão excitante e tão impossível, que o mundo vai dizer que isso é realmente uma forma de arte - não apenas poses e posturas. 

Suhaila: Isso é realmente importante, porque as pessoas estão falando sobre coreografia e técnica versus sentimento e improvisação, mas em todas as outras formas de dança, a técnica é uma questão de fato. Nunca é uma situação de escolher entre um ou outro... Eu acho que um monte de dançarinos do Oriente Médio estão tão interessados em ser esses artistas emocionais que se esquecem que eles precisam gastar seu tempo treinando... Uma Dançarina de Dança do Oriente Médio tem sido comparado a um músico de jazz, e é uma boa comparação. Tem que haver um sentido de espontaneidade e emoção, mas o músico é geralmente tão tecnicamente soberbo, que eles podem decolar em qualquer direção que eles queiram. 

Sobre o Treinamento

Suhaila: dançarinas orientais não estão se completando como bailarinas. Estão gastando dinheiro em figurino, mas não gastam dinheiro suficiente em aulas. Eu recomendo ballet para postura e no conhecimento muscular que não usamos na dança oriental. Qualquer outra forma de dança tem um arabesco melhor do que nós ... mais elevado e elegante. 

Jamila: Tecnicamente falando, eu acho dançarinos profissionais com formação clássica, podem muito bem desenvolver qualquer forma de dança no mundo, mas sentimento é outra coisa. Se houvesse um interesse em estudá-la (a dança do ventre), eles poderiam absolutamente bater a qualquer outra bailarina neste país. Mas eles não a consideram uma forma de arte,  eles não consideram isso um desafio. 

Poder da Dança

Jamila: Eu sinto que esta dança pode ser quase como uma forma de yoga ou meditação, porque quando você entrar no espírito da música e da dança, pode realmente diminuir o nível de estresse. É uma expressão maravilhosa. Ela pode ser muito espiritual. 

Suhaila: Todos os movimentos fazem sentido para o corpo de uma mulher. Você não tem que lutar ou brigar com eles. É um regresso a casa. 

Jamila: Eu não quero ficar mística ou falar sobre a Deusa Mãe como o todo-poderoso, porque eu acho que há um equilíbrio entre a energia masculina e a energia feminina. Sempre tem que haver esse equilíbrio, ou não funciona. Quando um domina e o outro é submisso, não é bom. Eu acredito que há um fundo ritual para a dança, e uma poderosa mitologia. 

Suhaila: Homens e mulheres podem tornar-se muito ameaçada quando vêem uma dançarina do ventre, porque ele encarna as qualidades positivas de ambos os sexos: 'Meu Deus, ela está no palco e ela está lidando e controlando toda esta platéia e ainda assim ela está se movendo de forma muito sensual, feminina e poderosa. Isto pode ser confuso e ameaçador, ou pode ser rejuvenescedor se eles estão felizes com o que vêem. Quando você é um dançarino, você é tão livre! 


Sobre o futuro

Jamila: Estou pensando em termos de preservação de uma forma de arte. A menos que seja catalogado e organizado, e temos dado terminologia a nossa dança, não vai a lugar nenhum. Tem que haver uma base para a dança ou a dança não tem futuro.




Fonte:
Postar um comentário