12 de setembro de 2014

216 - JOHN COMPTON

216 por Carine Würch - SEMANA 15

Texto escrito por Baraka.

Entrei inicialmente no estúdio de Jamila Salimpour no início dos anos setenta, mas como muitos bailarinos iniciantes daqueles dias, assistia John Compton de longe. 

Em 1990, quando o Bal Anat  foi organizada uma reunião para surpreender Jamila com uma "Apresentação de Agradecimento" patrocinada por Tambra em Dallas, eu tive a minha primeira oportunidade de realmente trabalhar com John

Eu tive o maior prazer de encontrá-lo como profissional tanto no ensaio como no palco, com um humor seco e um abraço pronto. Sem "atitude estrela" aqui! Vários anos depois, fui convidada para participar de sua trupe folclórica, Hahbi'Ru, rapidamente me tornando parte dessa família de dança. Talvez seja esse o segredo da longevidade de John na dança, que se estende por 25 anos - o amor que o público tem por ele. Ele faz com que cada um de nós se sinta parte dessa família. Um homem de grande direção, coragem e compaixão, o coração de John está sempre aberto. Ele valoriza a cada momento, e é 110% vivo quando ele dança.

Vamos voltar para os primeiros dias. Onde começou? Como você entrou em tudo isso? Vamos começar pelo começo.

Aos cinco anos de idade, na Miss Hollowell’s Dance e na Charm School. Usávamos pequenas luvas brancas, pequenos ternos, e aprendíamos a ser educados e dançar. Você sabe, foxtrote, esse tipo de coisa. De lá, eu fui indo e estudei dança de salão, e comecei a competir na dança de salão, dos doze anos de idade até cerca de dezoito anos de idade. Eu fiz uma série de  dança de rock n' roll do dezoito anos até que eu tinha cerca de vinte e um anos. Então eu saí por um tempo, e foi dos vinte e três anos que eu fiquei interessado no estilo de dança do ventre.

Por que você começou? O que despertou seu interesse por ela?
No Renaissance Faire (uma recriação Elizabethan Country Faire) em 1971 e 72, eu tive a oportunidade de ver Bal Anat. Eu tinha um estande, onde eu vendia ervas e plantas suspensas... Eu vi essas pessoas que passam, todos vestidos de preto, com o que parecia uma pintura de guerra no rosto, e eu pensei: "Quem são eles? De onde eles vem? - da Lua, de Marte? "Eu não tinha idéia! Eu ouvia suas músicas à distância. De vez em quando, eu arrumava alguém para ficar no meu estande, e eu ia vê-los, e ouvia a música! Eu estava feliz com isso. E algo dentro de mim disse: "Você tem que fazer isso. Isto é onde você pertence. "

Você se lembra de Jamila dos velhos tempos. Ela parecia tão alta, por causa do cabelo e da pintura de guerra. Eu tinha medo dela, então eu não podia falar com ela. Fiz amizade com um casal de pessoas no show, e disse: "Você vai me ensinar a dançar?" E eles disseram: "Não, porque Jamila não ensina homens, portanto, eu não posso."

Eu estava no Southern Faire naquele ano e viu o grupo de Patty Farber, que fazia dança do ventre, bem como danças folclóricas turcas e romenas. Reconheci uma das pessoas de show de JamilaFarideh (ou Cathryn Balk), fui até ela, e comecei a conhecê-la muito bem. Meu amigo Jay e eu estávamos lá para cada um de seus shows. Mas ela finalmente disse que não poderia me ensinar também, porque ela era aluna de Jamila e Jamila não ensinava homens.

Então eu encontrei uma aluna que me disse onde era o estúdio secreto de Jamila em Sao Francisco. Era em um velha fábrica de aves em Sansome Street, então eu fui até lá. Eu tinha tomado uma aula de outro professor, estava sendo ensinado a mexer corpo e com a platéia. Eu pensei: "Isso não é para mim." Então, quando eu descobri onde era estúdio de Jamila, eu fui até lá.

Havia uma pequena sala de espera do lado de fora, com essa cortina preta. Eu espiava e via todo mundo andando em um círculo, “Step, pivot, step, pivot, back, pivot, back, pivot,, e eu ficava fazendo isso na sala de espera. Eu acho que eles estão fazendo "Arabics", e eu disse: "Oh, eu acho que vou tentar fazer isso também", e, de repente, a cortina chicoteou e lá estava Jamila um passo para cima de mim, de modo que pareceu ainda mais alta, e ela disse: "Você! Aqui dentro, sentado, nem uma palavra, não saia." Eu pensei que estava morto! Mas foi uma grande emoção, porque eu realmente estava sentado dentro da sala.


Por Baraka

** Tradução Livre - Carine Würch **
Postar um comentário