10 de outubro de 2014

188 - REBABA | RITA ALDERUCCI

188 por Carine Würch - SEMANA 19

Memórias de Baghdad, Parte 1 - por Rebaba
Vista do quarto de Rebaba em Bagdá. 1983
Eu estava dançando como o destaque "Miss America da Dança do Ventre" em um clube/ restaurante de elite por cerca de duas semanas, quando Saddam Hussein anunciou que seu país estava sendo traído por seu número, um aliado na guerra contra o Irã, os EUA !

Uma das razões que concordei em vir a este país devastado pela guerra (mesmo Líbano e Síria estavam em paz enquanto dancei lá), foi o fato de que o Iraque estava lutando pela democracia contra o regime extremista governado pelo Khomeini no Irã. O proprietário, que era libanês, pensou que faria grande negócio ter uma Bellydancer americana liderando parte dos seus show todas as noites. Ele me ofereceu mais dinheiro do que jamais havia sonhado (nem vou ganhar, nunca mais), para viajar para o sul para uma cidade e durante três meses, dançar sete noites por semana... Ele assegurou meu agente localizado em Beirute que a luta estava longe e insistiu que o bombardeio nunca viria a Bagdá. Havia demasiadas empresas estrangeiras, militares de ambos os lados da guerra (uma presença grande dos EUA, bem como da Rússia), assim como toda a imprensa estrangeira que vive e trabalha em Bagdá. Tal era a economia lucrativas de guerra para ambos os lados, que percebia isto como uma partida de xadrez superpotente pelo controle do Golfo Pérsico.

Para seu crédito, meu chefe estava absolutamente correto em sua avaliação da minha recepção como "Miss America da Dança do Ventre". Era uma sensação enorme ao entrar no palco, recebida com aplausos de pé, e o público competindo para subir no palco e tentar dar-me um banho de dinheiro, antes que eu pudesse fazer o meu primeiro passo de dança.

As gorjetas foram incríveis, e todas as noites, durante as estas preciosas primeiras semanas, havia tanto dinheiro no palco, que eu literalmente não podia dançar. Todos estavam felizes, pois todos nós no envolvidos no Show, dividíamos as gorjetas. O proprietário do Al Kawakub (The Star, em árabe), o restaurante muito bem equipado localizado na margem do Rio Tigres onde estávamos dançando, disse que era a melhor dançarina que ele já havia contratado. Hah, mais lucrativo, talvez, porque a dança em si, ele não conseguiu ver meu show por muitas semanas, devido à recepção selvagem que recebia uma vez anunciada.

Dizem que todas as coisas boas devem chegar a um fim, e apenas duas semanas depois da minha chegada, foi a minha vez, por meio da televisão, guerra e política.

Enquanto estava começando a ajustar as nossas condições de vida miseráveis​​, um pequeno sacrifício, pensei, considerando todo o dinheiro que estávamos ganhando, a notícia da traição EUA ao Iraque bateu como ondas e a escala da guerra em favor do Irã. O ano era 1983, e estava apenas há duas semanas, do contrato de três meses no Al Kawakab Restaurant.

Cheguei em uma Bagdá desgastada (literalmente) pelo extremamente longa guerra com o Irã. Dólares norte-americanos e Rublos Russos, contribuíram para um plano de reconstrução e a criação de uma "Nova Bagdá", no entanto, o que eu vi quando fiz meu caminho em torno da cidade antiga, era uma Bagdá de ruas não pavimentadas. Escavadeiras tinha sido deixadas como ossos de dinossauros antigos empilhados no meio de cruzamentos incompletos , quando o que restava da força de trabalho,  foi enviado para defender seu país como a guerra se intensificava.

Durante as primeiras semanas em Bagdá, fomos o brinde da cidade, com uma casa cheia todas as noites, lotada com o crème de la crème da sociedade de Bagdá, ou seja, tanto as elites empresariais e executivos militares de todo o mundo. O povo iraquiano na platéia, jogava dinheiro no palco como se fosse confete, em feroz concorrência uns com os outros. Por outro lado vivemos em uma rua sem calçadas, e em uma casa (apesar de grande e majestosa do lado de fora), sem ar-condicionado. Não havia encanamento no último andar, onde meu quarto era, e o era encanamento muito pouco confiável nos três primeiros andares. Ah, e mencionei que a eletricidade foi instalado depois que as paredes foram construídas? Lâmpadas penduradas em fios em toda a "villa". Durante o meu primeiro mês, o clima ainda não era um problema, mas, antes de eu deixar o país, em 01 de junho, a temperatura subiria para 42 graus durante o dia e cerca de 36 - 37 graus a noite.

Felizmente,  o restaurante sempre tinha ar condicionado, comida e água ... Parecia, semanal, perderíamos algo essencial para a nossa sobrevivência e, ironicamente, todas as noites estávamos ganhando mais dinheiro do que poderíamos gastar.

Após a traição do presidente Bush a Saddam Hussein (que naturalmente viria a ser conhecido como o caso "Irã/Contra" nos EUA muitos anos depois), o meu problema imediato, foi como poderia continuar a me apresentar sem ser assassinada! Pareceu-me que todos na cidade sabiam que eu era "Miss America", e agora eles estavam sendo orientados a odiar o país onde havia nascido. Foi uma situação difícil para alguém tão jovem como eu, tinha apenas 27 anos de idade e  estava morrendo de medo!

Meu chefe decidiu que deveria agora ser anunciada como a "Belly Dancer", sem nomear nenhum país de origem. Isto era inédito em palcos da Europa ao Egito; o Mestre de Cerimônia sempre anunciava de qual país a dançarina era, isto sempre indicava o calibre da dançarina. Além disso, as pessoas do Oriente Médio são muito orgulhosos e esperavam ouvir talvez seu próprio país sendo citado na introdução de uma dançarina do ventre. Então, nós discutimos, meus músicos libaneses e eu, que isso seria um desastre, e que o público estaria mais perplexo e chateado por não haver nenhum país, do que até mesmo o fato de que ser americana! Sugeri então sul-americana, canadense, francesa (como eu falo francês), ou por que não libanês, como muitos já haviam comentado que parecia libanesa. Mas, não, meu chefe não queria correr o risco de mentir. Certo, ele me chamava de"Miss America" da Dança do Ventre, e sei que era uma mentira, mas, ele não estava disposto a dizer que eu era "francesa" e, possivelmente, salvar a minha vida!

Na primeira noite do meu novo anonimato, chamada "The Belly Dancer", fiz a minha entrada e pela primeira vez fui capaz de dançar toda meu show. Foi muito estranho, a casa quase lotada era quase silenciosa, na maior a parte do meu show. Fiquei pensando a qualquer momento alguém vai poderia atirar em mim!

Terminei meu show, e enquanto agradecia e jogava beijos no ar para o público, por terem me matado, várias pessoas se levantaram e começaram a falar comigo em árabe. É claro que não tinha a menor ideia do que eles estavam dizendo, então sorri educadamente e corri para fora desse palco assim que consegui! De volta ao meu camarim, minha pobre banda, que também eram meus melhores amigos em Bagdá, vieram durante a sua pausa para verificar como estava e me dizer o que estava acontecendo com o público. Evidentemente, e não surpreendentemente, o público estava totalmente perplexo com a dançarina de "lugar nenhum"! Eles queriam saber de qual país eu vinha, e foi isto exatamente o que disse o nosso patrão poderia acontecer e aconteceu. Estava sendo acusado de negar a minha cultura, porque certamente não era iraquiana, libanesa - não, deveria ser síria, mas, não, na verdade, e sem dúvida alguma, que eu tinha de ser egípcia! Meu público de todo o Oriente Médio estavam discutindo entre si sobre o meu país de origem, e cada qual queria afirmar que eu era um dos seus!

Este dançarina do "nada", na verdade, quase causou uma briga naquela noite quando dois clientes com argumentos opostos, disputavam o meu país de origem!

Daquela noite em diante, disse ao meu chefe  que se ele não estava disposto a dar-me um país falso, então era só dizer a verdade, que sou "Americana", só não diga EUA, e gostaria de me arriscar. Felizmente, o minha coloração se prestava bem para ambos Oriente Médio e America do Sul. Naquele tempo (pré-internet, vídeos, skipe, etc), as pessoas ainda eram estereotipada norte-americanos como "loiros", assim como nós estereotipamos as pessoas do Oriente Médio como sendo "morenos". Portanto, ser "americano" não era tão perigoso quanto você pode pensar, pois meu público sempre chegaram à conclusão de que eu era do México! Havia alguns que ainda achavam que eu estava negando a minha cultura e verdadeiramente era do Oriente Médio, mas, eu apenas sorria, ria e dizia que não: "Ana Americana".
 

Texto original:
** Tradução livre - Carine Würch **

Fontes:
Postar um comentário