22 de outubro de 2014

176 - AZIZA!

176 por Carine Würch - SEMANA 21

The Beginning - by Aziza!

Minha mãe sempre se culpou pela minha carreira na dança do ventre. Ela sentia que se ela não tivesse me levado para aulas de dança (ballet, sapateado e etc) quando era criança, nunca teria sabido que gostava de dançar! Ela também me ensinou dança folclórica e de quadrilha e pagou por aulas de dança de salão - e por minha conta, mais tarde, tive aulas de dança moderna, Flamenco, afro-cubana, taitiana, e muito mais, mas ela achava que havia sido aquela primeira formação fatídica, que realmente me colocou no caminho da dança. Fico feliz em dizer que quando ela finalmente me viu dançar, dez anos depois comecei, e viu que era bom - e que eu ainda era a mesma pessoa - ela mudou de ideia sobre a necessidade de se "culpar".

Mas meu pai, até o dia que ele morreu, estava convencido de que eu estava fazendo o desagradável cootchie-coo! (hootie-cootchie)

Em 1966, eu estava frequentando a Universidade da Califórnia em Berkeley como um grande russo, com a intenção de ser um bibliotecário com uma linha lateral de traduzir os muitos materiais russos que começavam a estar disponível para bibliotecas. O major russo era apenas uma manifestação do meu interesse em outras culturas - em suas línguas, seus costumes e trajes, sua música e dança.

Um dia, vi no jornal do campus, um anúncio de aulas de dança árabe a ser ministradas por uma profissional aposentada - Respondi ao anúncio, conheci Jamila Salimpour, e todo o curso da minha vida mudou!


Jamila estava ensinando em seu apartamento na Telegraph Avenue, em Berkeley, e a partir do momento que entrei, fui pega pela magia. Havia incenso aceso na porta da frente, havia gravuras de desenhos exóticos e fotografias de Jamila com seus figurinos nas paredes, um lance indiano no sofá, e que a música - que música! - enchendo a sala de estar. Uau! Ia feliz para as aulas a cada semana, as aulas eram cheias de muito treinamento de passos e com os snujs [zills] (havia um grande quadro na parede, mostrando padrões a serem tocados para nossa prática, e estou certa de que a minha total facilidade e conforto com snujs, foi devido a toda a prática exigida), mas também cheias de fofocas e histórias e a oportunidade de se debruçar sobre as fotografias de outros bailarinos na sua Rogues' Gallery.

Jamila grávida na época, mas ela não teve nenhum problema nos ensinar todos os movimentos, e costumávamos brincar que ela poderia simplesmente ficar parada e deixar o bebê fazer o trabalho na barriga dela.

Éramos sua segunda leva de estudantes - a primeira, incluía a magnífica Galya - e havia cerca de cinco de nós na classe. Uma outra passou a fazer dança profissional por um tempo, mas fui a única naquela turma que seguiu carreira.

Uma das coisas que Jamila exigia era que fossemos a Sao Francisco ver os dançarinos nos clubes. Havia apenas dois clubes do Oriente Médio que eu conhecia naquela época, os dois em North Beach. O primeiro que meu marido e eu visitamos foi o Bagdad Cabaret, onde eu vi minhas primeiras dançarinas do ventre ao vivo: Eu vi Karoun Omar e Tahia Sirhan, e que contraste elas eram! Karoun era suntuosa, com um belo movimento gracioso e um ar arrogante. Ela usava uma saia de crepe branca e  pesada, com acabamento em preto para combinar com o sutiã preto, e o cinto que ela usava com algum tipo de material bordado, Jamila chamava de "decoração abajur." (Mais tarde fiz algumas aulas com Karoun. Ela se mudou para Nova York, e, depois de uma estadia desastrosa e trágica lá, voltou para a São Francisco, por um curto período de tempo. Mesmo assim, gostava de vê-la dançar mais do que a maioria das outras dançarinas daquele tempo!)


A outra menina, Tahia, era uma coisa selvagem, supostamente uma louca beduína. Ela usava uma saia roxa e um sutiã e cinto de moedas de ouro, com um grande punhal traspassado seu cinto! Ela dançou energicamente, e depois parecia discutir em árabe com os músicos. Ela sentou-se no palco, fez beicinho, pegou as unhas dos pés e balançou a cabeça, e, de repente, saiu do palco, mas foi persuadida por Yousef a voltar. Quando ela saiu para dançar na platéia, pensei comigo mesma: "É melhor que ela não fique muito próximo ao meu marido!"

Desde então, tenho me divertido com a lembrança deste pensamento, e entendo a reação de algumas mulheres em relação a uma bailarina.

No Gigi's Port Saidvimos Leila Lisa, a dançarina que mais tarde viria a aparecer em "From Russia with Love" na cena do acampamento cigano.  (assita aqui) (Ela não foi, no entanto, a dançarina por trás dos títulos em que o filme, e sim Tanya Lemani). Leila usava um monte de saias e tinha uma série de lenços enfiados na linha dos quadris. Ela era uma dançarina bem magra, e eu me lembro que ela tinha o hábito de puxar o lábio superior para baixo sobre os dentes, como se quisesse esconder um overbite, embora ela tivesse um.

Depois que havia feito aulas por cerca de três meses (e ensaiado como uma louca em casa, o que era difícil, pois os únicos discos que encontrei eram "Port Said", de Mohammed El Bakkar e um álbum de música turca pirata), Jamila me disse que estava pronta para entrar no palco! Eu já tinha um figurino, um preto e prata. Tinha vendido um fogão para comprar um cinto que Jamila fez para vender, e tinha feito uma saia e véu e cobri um sutiã com moedas para combinar com o cinto. Rapidamente fiz uma roupa que se usava no clube entre os shows - uma longa saia preta e uma elegante blusa de cetim verde e chiffon preto, e comprei alguns cílios postiços e fiz o meu cabelo na quarta-feira antes da minha estréia. Queria grandes cachos, e prender meu cabelo como o de Jamila, mas como não fiz com um profissional, parecia um crisântemo murcho! Não importa! Estava pronta, embora com grande temor e tremor!

Foto do interior, não sei quem é a bailarina

Jamila me garantiu que só teria que fazer um show curto na minha primeira vez.

Antoinette Awayshak e Fatma Akef estavam trabalhando lá, de modo que estava tudo bem. No entanto, quando eu cheguei, descobri que Antoinette estava em casa, doente, que havia somente eu e Fatma. 


Yousef me convenceu a fazer três shows na minha primeira noite - 10 minutos, 12 minutos e 15 minutos! (Agora parece tão pouco, mas para um primeiro tiro, foi muito emocionante!). Me diverti muito, Yousef estava de bom humor, e tudo correu bem. No dia seguinte, ele chamou Jamila e disse: "Onde você conseguiu isso fireball ?!" E assim, comecei a trabalhar no Bagdad Cabaret, uma noite por semana no início, então, gradualmente, com mais freqüência. 

E assim começou ...

Texto original:
** Tradução livre - Carine Würch **
Postar um comentário