31 de outubro de 2014

167 - ASMAHAN

167 por Carine Würch - SEMANA 22

Minha aventura começa! por Asmahan - PARTE 2

Galya
Pedi a Masha que me ajudasse a encontrar moedas árabes para um traje, tecido assuit, e muitas jóias turcas. Era difícil conseguir moedas do Oriente Médio na época, então comprei algumas moedas inglesas dela, apenas para ter alguma coisa. As pintei para que parecessem que vieram de algum país exótico do Oriente Médio! 


Minha grande ídola na dança era Galya. Costumava ir vê-la no Greek Taverna em Oakland. Ela sempre foi tão gentil, prestativa e solidária. Ela me deu o seu cartão de visita, que tinha uma foto maravilhosa - ainda a tenho, e fiz uma grande cópia colorida a partir dele. 





Aida
Aida sempre foi muito útil também. Eu tinha um monte de dificuldade de entender a música e a complexidade dos ritmos dos snujs, padrões de quadril e footwork, todos trabalhando juntos em uma espécie de oposição. Aida, ex-cantora de ópera, tocava o mizmar, por isso ela entendia muito sobre música. Ela me deu algumas aulas particulares. Eu fiz-lhe uma saia e véu que ela amava. 

Em 1973, fui ao Casbah ver o show muitas vezes. Quando fiz o teste, Fadil disse que poderia começar em alguns meses, assim que houvesse uma abertura.

No BagdadYousef me contratou na hora e disse que poderia começar imediatamente, mas não quis. Foi-me oferecido um emprego no Greek Taverna por quatro noites por semana, incluindo uma noite a cada fim de semana. Era um belo restaurante de estilo familiar e uma ótima maneira de começar a experiência de palco. As gorjetas eram fantásticos, e eu podia comprar todas as semanas novos tecidos e jóias. 

Jamila tinha um estilo, que ela chamou de pré-napoleônica, isso significava: materiais árabes antes da influência da cultura ocidental. 

Fiz um cinto de moeda e sutiã de moedas de bronze marroquinas que comprei de Masha. Trabalhei para o Lion and the Sun, que era uma loja de importação persa. Eles tinham tecidos persas maravilhosos e jóias. Consegui moedas persas lá para fazer um cinto de prata e sutiã. Projetei cintos para que eles produzisse e fez figurinos para eles venderem. 

Fadil 
Depois de alguns meses Fadil me deu algumas noites no Casbah. Era tão competitivo! Havia cerca de cinco bailarinas por semana, chegando para trabalhar. O ambiente era fantástico, a música maravilhosa. Fadil tem a voz mais bonita. Ele fez essas boas versões de Abdul Halim HafezOm Kalsoum, e Farid el Atrache. Ele estava sempre cantando as músicas mais recentes do Golfo com os ritmos Ayoub, que eu amava. Tive aulas de derbak com o músico de tabla do BagdadGeorge Dabai. Isso me ajudou a me tornar uma dançarina melhor, enquanto aprendia os padrões rítmicos. Ele me ensinou a tocar def, então, tocava no palco com os músicos no primeiro set. Este era um sonho se tornado realidade. Jalal e Salah eram músicos maravilhosos; eles tocavam músicas persas, turcas e árabes. Os clubes entretinham muitos árabes, incluindo os príncipes da Arábia Saudita (que pareciam estar todos estudando em na Universidade de Stanford). Um dos clientes favoritos era o príncipe Musab al Saud. Na minha primeira noite, ele me elogiou e disse que parecia uma egípcia. Ele queria me comprar uma bebida. Eu nunca tinha tido qualquer tipo de álcool na minha vida. Perguntei a Musab o que ele estava bebendo, ele disse uma cerveja, então escolhi o mesmo. 

Minha primeira bebida foi uma cerveja com o filho do rei da Arábia Saudita

No Casbah, nesse momento, as bailarinas eram: 
AidaRainaSafiaSelwaRhea, e Princess Samia Nasser. Meus figurinos eram "pré-napoleônicos", e com três shows por noite, (eu tinha que ter três trajes diferentes) eram muito pesados para carregar. Aida disse-me onde conseguir uma mala com rodinhas. Elas eram raras de encontrar naquele tempo. 

Todos as outras dançarinas usavam trajes bordados. Fiquei chocada que a única dançarina árabe, Samia Nasser, usava as cores mais ultrajantes, muito pálidas, usava sapatos de salto alto, tinha cabelo curto vermelho-alaranjado, e um olhar que só pode ser descrito como "Plastic Fantastic". 

Samia era muito doce e costumava me dar conselhos. Muitas vezes pedi a ela para me contar sobre os bailarinos no Oriente Médio. Ela me disse que todos os bailarinos profissionais usavam trajes bordados ​​e muito glamourosos. Além disso, ela me disse que não estava tirando o melhor proveito do meu look. Ainda frequentava aulas, que continuei a fazer pelo tempo dancei profissionalmente. 



Senti que havia sempre algo para trabalhar e mais, para aprender. Assisti todas as dançarinas e aprendi muito! RainaSafia, e Selwa eram realmente lindas e usavam trajes muito sensuais. Entendia que as minhas moedas, pulseiras de metal, tecidos antigos, cocares turcomanos, não eram tão atraentes para os clientes. Precisávamos ir até as mesas para as gorjetas, era esperado fazermos um bom dinheiro, e era a tradição dar metade do dinheiro para a banda. George, o porteiro, era um personagem a parte, ele usava um fez (barrete árabe) e entertia os clientes com latidos e dançando, para que eles entrassem. Haroun, o barman, parecia um personagem de um filme. Na verdade, a atmosfera no Casbah era como estar em um filme (como "Casablanca"). Eu estava apaixonada por minha nova vida: vestir me com figurinos árabes toda a noite, maquiagem dramática - olhos pretos delineados, usando montes de jóias pesadas, arrumando figurinos, vendo todos esses personagens incríveis, e estar rodeado por esta música fabulosa!


SEGUE ... 

Fonte:
** Tradução livre - Carine Würch **


Postar um comentário