30 de outubro de 2014

168 - ASMAHAN

168 por Carine Würch - SEMANA 22

Minha aventura começa! por Asmahan - PARTE 1

Vivenciar a Renaissance Faire foi uma experiência que mudaria minha vida! Depois de terminar os meus estudos universitários, trabalhei como designer, e morei em Marin County, Califórnia, onde tive uma bela loja, "Aquarian Princess". Projetava e fazia roupas de alta costura, jóias e vestidos de noiva. Mesmo lojas na Rodeo Drive, em Beverly Hills estavam mostrando minha roupa em suas vitrines. Minha vida era fantástica. Estava quase noiva de um homem fabuloso, que apoiou a minha carreira artística, e tinha uma casa maravilhosa. Tinha um grande círculo de amigos e uma vida social fantástica. 

Bal Anat Troupe
Em setembro, eu ajudei uma grande amiga com sua estande na Renaissance FaireÀs 9:30 em um sábado de manhã, vi uma performance do Bal Anat

A primeira bailarina que eu vi foi Jamila Salimpour.

Depois Meta equilibrando uma bandeja, Aida dançando com véu, Rebaba dançando com um jarro, e Rhea dançando com uma espada. Galya dançou a última música, tocando snujs, fazendo floorwork e um solo de derbak. 

Todas as dançarinas do coro tocavam instrumentos autênticos. O som dos tambores, santour, mizmar, snujs, e acompanhado por zagareet (ululação), era o som mais exótico que tinha ouvido. Os figurinos de assuit, cintos de moedas e sutiãs, jóias, véus e belos tecidos esvoaçantes me encantou. Esta foi a primeira vez na minha vida tinha visto dança árabe e ouviu música árabe. Foi como uma experiência religiosa. 

Fui até Jamila após o show e disse que era a coisa mais linda que já tinha visto. Ela pegou minha mão e disse: "Você parece com uma egípcia, venha dançar comigo." Vi meu futuro. Usaria todas as minhas habilidades de design para fazer figurinos e me tornar uma dançarina. Foi como fugir para se juntar ao circo! 

Vendi minha loja e me mudei para a cidade para estudar com Jamila. Estava na sala de aula com Masha Archer, quem conhecia da Alameda Flea Market, onde costumava ir todos os domingos para comprar os tecidos para o meu design de roupas. As aulas eram muito difíceis e competitivas. Precisávamos tocar snujs (sagaat) (ou zills como Jamila chamado-os na língua turca). Nosso estilo era o estilo clássico árabe turco, com véus, tocando snujs, fazendo floorwork acrobático e solos de derbak. Assistia três aulas por semana e praticava em casa todos os dias. Um dia, disse a Jamila que queria ser uma dançarina profissional, ela disse: "Então você deve ter um nome!" 

Em um instante, ela disse: "Você vai ser Asmahan." 
SEGUE... 


** Tradução livre - Carine Würch **
Postar um comentário